Tratamento e bem-estar para crianças com câncer

  por   0   0

A criança em tratamento oncológico está suscetível a experiências dolorosas e que diminuem a autoconfiança, que podem influenciar a aceitação do tratamento e prejudicar o seu desenvolvimento psicossocial. Para Dia Mundial do Câncer, 4 de fevereiro, a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE) ressalta que a humanização pode auxiliar a reverter esse quadro e proporcionar melhor qualidade de vida a estas crianças e suas famílias.

Dentre as medidas para a humanização do tratamento está o atendimento atencioso e carinhoso para com o paciente e sua família, além do tratamento individual, no qual cada paciente deve ser avaliado de acordo com sua particularidade, conduzido por médicos e equipe multiprofissional dentro de um ambiente alegre e com características infantis. Além disso, toda criança em tratamento tem direito a um acompanhante.

“No tratamento humanizado estão inclusas também a informação integral e adequada à família da criança sobre o grau da doença e sobre as possibilidades de recuperação, bem como métodos de diagnósticos e tratamentos. Um ambiente lúdico, como a brinquedoteca, também ajuda a deixar o clima mais ameno no que tange ao tratamento”, explica a oncologista pediátrica da SOBOPE, Carla Macedo.

De acordo com a psicóloga Claudia Epelman, também diretora da Sociedade, é de extrema importância o acompanhamento psicológico familiar desde o diagnóstico da doença para evitar problemas futuros e manter a família estruturada para enfrentar as batalhas que estão por vir. Assim, a partir da confirmação do diagnóstico, todos os profissionais envolvidos devem estar sensíveis às necessidades dos pais e propor intervenções preventivas de maneira que a vivência do câncer não deixe sequelas irreparáveis.

Para uma assistência adequada é necessário existir uma estrutura com equipe multidisciplinar que inclui além de médicos oncologistas pediátricos, também fisioterapeutas, nutricionistas, farmacêuticos, fonoaudiólogos, psicólogos, entre outros profissionais, que garantem a qualidade do tratamento em cada área.

Sobre a Terapia Lúdica

Também conhecida como ludoterapia, a terapia lúdica tem grande importância para crianças em tratamento oncológico, pois atua desde o falar do paciente até a adaptação do ambiente hospitalar, o que minimiza os impactos da doença e do tratamento. Este tipo de terapia é utilizado para ajudar na compreensão da criança sobre o que esta acontecendo, oferecer informações sobre a doença e o tratamento em sua linguagem infantil. A abordagem se baseia no fato de que brincar seja um meio natural de autoexpressão da criança. Durante as sessões é dada a oportunidade de o paciente expressar seus sentimentos e problemas através da brincadeira. A ludoterapia poder ser praticada individualmente ou em grupo.

Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE) Fundada em 1981, a SOBOPE tem como objetivo disseminar o conhecimento referente ao câncer infantojuvenil e seu tratamento para todas as regiões do País e uniformizar métodos de diagnóstico e tratamento. Atua no desenvolvimento e na divulgação de protocolos terapêuticos e na representação dos oncologistas pediátricos brasileiros junto aos órgãos governamentais. Promove o ensino da oncologia pediátrica, visando a divulgação e a troca de conhecimento científico da área em âmbito multiprofissional.

Fonte: Redepress

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.